quinta-feira, 22 de abril de 2010

NAMORANDO SÉRGIO SAMPAIO

Maldita essa minha soberba, eu, aqui, achando que sabia de tudo e que conhecia todos os artistas, úteis de se conhecer, quando me aparece o Sérgio Sampaio. Eu e o meu, ótimo, vício de sempre procurar coisas novas, com o auxílio dessa magnífica ferramenta moderna chamada internet, vasculhava o submundo artístico da web, quando, de repente, me deparo com um dos artistas mais brilhantes de todos os tempos: Sérgio Sampaio. Marginalizado (quem acompanha este blogue, sabe da minha paixão pelos marginais), maldito, o Sérgio Sampaio, lindo, o Sérgio Sampaio. Há algumas semanas atrás estava, eu, no youtube videando Cérebro Eletrônico, uma banda paulistana muito boa, que faz referências a Sérgio em suas músicas, quando desperta em mim uma curiosidade de saber, quem é esse tal de Sérgio Sampaio?

Meus amigos, preciso-lhes dizer, esse tal de Sérgio Sampaio é lindo, ah como ele é lindo, se eu já não fosse um homem casado, eu casaria com ele, treparia várias e várias noites com Sérgio Sampaio. Eu já tinha ouvido "A GRÃ ORDEM KAVERNISTA APRESENTA A SESSÃO DAS DEZ", intensamente e nunca quis saber quem diabos era Sérgio Sampaio, eu sou mesmo um idiota, um grande idiota. Eu nunca, repito meus amigos, nunca havia ouvido algo tão perfeito. Tomar contato com sua obra foi pra mim um dos maiores acontecimentos dos últimos tempos, e olha que tem acontecido muitas coisas na minha vida ultimamente. Dos Compatos aos Long Plays é tudo tão perfeito, o álbum "CRUEL" (2006), lançado, pós-morte, por Zeca Baleiro, é pra mim o melhor de todos eles, mas sem dúvida a melhor música é "Pobre meu pai", do disco "EU QUERO É BOTAR MEU BLOCO NA RUA" (1973), eu nunca ouvi nada tão belo e cristalino como essa canção; e, amigos, modéstias a parte, eu, com meus míseros vinte e um anos, conheço muita coisa, estudei toda a bossa, o samba, a tropicália, a marginália, o rock, o jazz, o blues, o clube da esquina, música contemporânea, vanguardista, clássica, tudo, e sim... existem coisas maravilhosas em tudo isso, mas não há nada que se compare a Sérgio Sampaio. Em nome de deus, Sérgio, me carregue e me pregue em sua cruz.

Lô, que até então era o maior compositor da música brasileira pra mim, perdeu seu trono pra Sérgio Sampaio. Raul, que ocupava a primeira posição entre os pensadores da música, perdeu o lugar para Sampaio. Todos eles perderam seus lugares, Sérgio Sampaio ocupa o primeiro lugar e tornou-se dono dos meus gostos, coração e ouvidos.

Enquanto eu, muito bêbado, e minha querida esposa, estudavamos a canção "Pobre meu pai", vinha em minha cabeça imagens, deciframos cada frase da poesia de Sampaio e ela tornou-se ainda mais bela, se é que isso é possível, eu juro que tentei por horas descrever essa análise aqui, neste texto, frase por frase, mas é um pecado, um grande pecado tentar explicar em palavra escrita a letra desta canção, espero haver oportunidade, um dia, de ouvir Sérgio Sampaio com vocês e cantar a tradução de cada frase, bêbado do jeito que Sérgio Sampaio gosta, e não ligar, nem chorar, nem brigar, pois a morte é certa, uma lição que Sérgio Sampaio, provavelmente, aprendeu com seu pobre, podre, doido, pai.

Desta vez, ao contrário das outras, não vou atirar pedras na nossa, inculta, sociedade por ignorarem a existência deste artistica completo,  Sérgio Sampaio precisa ser assim, esquecido, marginalizado, difamado, afinal, se não fosse, não seria ele Sérgio Sampaio. E o triste de tudo isso, é isso tudo de tempo que demorei, eu, para conhecer sua obra, eu sou mesmo um grande idiota.


POBRE MEU PAI
Sérgio Sampaio


Pobre meu pai
Quatro punhos espalhados no ar
Oito olhos vigiando o quintal
E o meu coração de vidro
Se quebrou
Doido meu pai
Sete bocas mastigando o jantar
Sete loucos entre o bem e o mal
E o meu coração de vidro
Não parou de andar
Pobre meu pai
A marca no meu rosto
É do seu beijo fatal
O que eu levo no bolso
Você não sabe mais
E eu posso dormir tranqüilo
Amanhã, quem sabe?
Hoje, meu pai
Não é uma questão de ordem ou de moral
Eu sei que posso até brincar
O meu carnaval
Mas meu coração é outro
Simples, meu pai
Faça um samba enquanto o bicho não vem
Saia um pouco, ligue o rádio, meu bem
Não ligue, que a morte é certa
Não chore, que a morte é certa
Não brigue, que a morte é certa

E eu, que pouco choro, derramei lágrimas na primeira vez que videei.








Imagem: Google
Vídeo: Youtube

8 comentários:

Cintia Ferreira disse...

Poxa Vini...faz tempo que não passava por aqui..ta td mudado, mas to gostando..


Bjos pros três!

dansesurlamerde disse...

Sérgio Sampaio é lindo! que bom que tu o descobriu. eu virei fã quando fui morar no Espírito Santo.

beijo.

Adriana Godoy disse...

Paes, olha que coisa mais doida: gosto tanto dessa música que foi a primeira que coloquei no orkut e talvez a única. Realmente, o cara era foda, pena que nos deixou tão cedo. Belo texto o seu e parabéns pela descoberta. Nunca é tarde pra se descobrir o que ralmente presta nesse mundo. Beijão.

Ana disse...

Sergio sampaio e tudo de bom!!!

Zeca disse...

Vejam só!
Eu estava tateando no escuro procurando alguma coisa do Sérgio Sampaio, me deparo com 'isso aqui'. Acho que vou amarrar o meu bode por aqui...

(Zeca)

Hert Ramone disse...

Cara, choque ao conhecer Sérgio foi muito parecido com o que aconteceu contigo. Ele é meu maior ídolo, perfeito.

Marilza Rosa disse...

Amoooo Sergio Sampaio......

MiaLud disse...

Eu namoro ele todos os dias..um ritual mágico.! Meu artista preferido! Um eterno maldito\1