segunda-feira, 22 de março de 2010

Reporto-me a um velho poema.

Hoje, morre um
Amanhã, nasce um

Qual é o resultado dessa equação...
isso é uma soma ou uma subtração?

Sou péssimo em Matemática, portanto hoje fico por aqui...
buscando entender o que não pode ser entendido....

Afinal, morte é somar ou zerar?

O que eu sei sobre a morte é que ela é o sentido da vida, a única certeza. É aquilo que impulsiona as ações, vontades... a morte é o reflexo das ações, e sim, todos devem morrer algum dia. Só queria que todos morressem sorrindo e em paz.


(Vestindo luto; 22/03/2010)

in Manual de Aritmética.

13 comentários:

Nátalin Guvea disse...

41.
É necessario o fumo da poeira!
Os amigos só serão em três casos:

Serem irmãos na miséria
Serem iguais diante do inimigo
E livres...diante da morte!

Nátalin Guvea disse...

(aprendendo com seu mestre)

dansesurlamerde disse...

o problema não é a morte, o trágico mesmo é a ausência.

bonito texto.

beijo.

Isabela Pizani disse...

Entre morte e ausência, a saudade é a presença.

Sobre a música: Ah, como eu iria gostar de grava-la junto. Mas, tbm não sei o grau de impedimento que a geografia e o tempo podem proporcionar. Talvez, pudéssemos tentar combinar e eu me agradaria muito em participar disso tudo.
Em todo caso, se não der, grave-a, com a única condição de que me mande pra ouvi-la. rs

Beijo, Vini.

Isabela Pizani disse...

Vi seu comentario no BrÓg.
Te respondi no formspring e tbm te fiz uma pergunta. Agora, to aguardondo o email.

Beijo.

Rafael M. disse...

Também haveria a subtração, certo? Há a subtração da presença do falecido na vida das pessoas mais próximas, e o que se torna a "soma" são os bons momentos vivenciados, as experiências, as lembranças...

Concordo com você; a morte é o sentido da vida. Se todos nós fôssemos eternos, não viveríamos cada dia como se fosse o último!

Quando penso na possibilidade de alguém um dia ser imortal, me vêm à mente toda a tristeza que vivenciou o "homem bicentenário" (tanto no conto quanto no filme), que foi justamente a agonia de ser eterno enquanto os entes queridos não eram. Sendo assim, a vida perdeu todo o sentido.

Muito bom o blog, já estou acompanhando!

Abraços!

Lih disse...

As vezes demoro passar por aqui ver as atualizações, mas quando começo a ler, é inevitável a supresa e a perplexidade...
Esse lugar aqui, é um mundo particular, fascinante.

chega de rasgar seda! haha

Você sabe quem e o que é independente de quem quer que seja, que tente banalizar sua genialidade...
O que mais me impressiona, é que voce já disse outro dia na mesa de bar, que muitas vezes, não quer dizer nada além,e mesmo assim, fico tentando decifrar...rs

saudade de vc, figuraça!

bjo

Bia Belchior. disse...

Aquela coisa toda que é o Vini!

Saudade.

Anita Mendes disse...

cada vez que venho por aqui isso fica melhor! beijos Vico!

Adriana Godoy disse...

Paes, ninguém tem a resposta, mas é bom encontrar algum sentido para a dita cuja. Beijo.

Rodrigo... disse...

Amigo e saudades, duas palavras que as vezes se fundem, apesar de não combinar. Faz tempo que, não venho aqui me reportar de inumeras loucuras sensatas suas amigo, e é neste mutuado de palavras que descrevo a saudade de você.
Você faz falta para lhe dizer, o quanto ando feliz aqui meu amigo, preciso compartilhar isso com você. Tu que tanta vezes me encheu de conselhos, tudo bem que nem todos foram proveitosos rss. Mas amigo é aquele que aconselha e mesmo que o outro não siga seus conselhos, ele esta lá e não abandona nunca, e você é assim. Cara to super feliz aqui e minha felicidade aumenta sabendo que você esta bem aí. Obs: vou te vizitar logo palavra, e você sabe que minha palavra pe promessa.

O Poema: Que bela matemática amigo.

Abraço fica bem... GRANDE AMIGO!

Ps: Meu time perde pro seu mas sempre está lá nas finais rss, já o seu fica com essas "vitóriazinhas" aí rsss

Rodrigo... disse...

não se incomode com a ortografia escrevi correndo, nunca tenho tempo rss

Nátalin Guvea disse...

Vestiremos luto em todas as horas em que for preciso.
(Juntos)
Estancarei sua dor, colocarei minhas mãos no buraco tentando fazer com que sangre menos.
(Sempre)

Eu te amo, doce vida.