quarta-feira, 24 de junho de 2009

Inconsequência
Do mar, e toda sua imensidão
Loucura
Os dois casais sentados sobre as pedras, daria uma bela pintura
daquelas que se guarda para sempre na moldura mais nobre da memória
(aquela onda ele mandou, pra eu blasfemar menos)
Ou aquela onde veio pra abençoar nosso casamento?
Não importa, aquilo era o mar, e estavamos livres
Imprudentes
Foi pra mostrar pra eles o quão vivo ainda estamos
e eu amo, mordo, choro e sorrio
a cada segundo espreitando um desafio
A natureza purifica! O mar está vivo!
Estamos vivos, e provamos isto!




Talvez sejamos loucos
Talvez a vida é que seja louca demais.



(para meus queridos amigos Audrea e Diego. para minha querida esposa Nátalin Guvêa. para nossas aventuras inconsequentes. ainda estamos vivos meus queridos, e isso foi só pra provar)

4 comentários:

Nátalin Guvea disse...

haha
Ainda estamos vivos amor
Ainda abraçamos o mar de madrugada
Ainda temos uma chuva pra abençoar
Ainda casamos e sabemos casar
Ainda saimos rindo como jovens vivos e desafiadores

Não importa o dia
Nem as horas

Ainda sentimos!

Nátalin Guvea disse...

Ainda bem que vc já é meu marido
(se não, eu ia ter que te procurar)

Rodrigo... disse...

Grande aventura meu caro!
Abraço

Adriana Godoy disse...

Boa, Paes, uma poesia e tanto. Que Netuno os proteja. Beijo.