domingo, 1 de fevereiro de 2009

O TREM


v.m.paes

A plataforma, lisa e de estrutura metálica, fantasmas de pessoas semi-mortas num frenético vai e vem, eu agoniado olho para o relógio ansioso pelo trem. Cinco da manhã, já é dia pra muitos, pra mim a noite acaba de começar, no corpo surrado e na alma marulhosa vestígios da madrugada analgésica que passei. Finalmente, lá vem ele, todo “café com pão”, lá vem o trem. Chegou antes do sol. Indiferente. Afinal, depois de tantas essa noite não dormirei com as corujas, nem com ninguém. Corri desesperadamente em direção aos trilhos, saltei. Uma última luz, o farol dianteiro do trem, agora sou nada mais que ninguém.

4 comentários:

Adriana disse...

Um textoo belo e triste. Gostei. Abraço.

Ca:mila disse...

estruturas.

gostei bastante

um cara legal... disse...

amiog...
eh una honra ler textuix coom esse
comtinuy!11
rsrs
tou d brinqs
trem fantasma de papelaum

Nátalin Guvea disse...

antasmas de pessoas semi-mortas num frenético vai e vem.

sempre achei isso de metros, nunca me conformo =/