quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

SÁDICO

v.m.paes

Por trás, lento, violento
Violando todos os valores éticos e morais
Violentando tudo aquilo de conservadorismo
Banal, brutal, anal
Agarra pelos cabelos
Respira pecado próximo ao meu ouvido
Deita sobre mim teu corpo suado
Morde com força meu pescoço marcado
Machuca-me a cada estocada
Profundas e pervertidas
Urra, bate, goza
Me deixa no chão
No corpo, feridas abertas do prazer
Na boca gosto doce de porra
Nos olhos brilho de satisfação

5 comentários:

Rodrigo Pqn... disse...

to falando que muita gente vai odia isso!!! huahuahuahu
abraço
Mano

Adriana disse...

Você conseguiu passar a imagem de um sádico pela poesia. E deixa uma sensação meio esquisita. Muito interessante. Bj

Isabela Pizani disse...

Eu sempre leio issuaqui! rs

Beijão!

Nátalin Guvea disse...

=O

Isso sim é se livrar dos pudores.
Sem dores!
Doa a quem doer!
Escreve então o que emana seus poros!

eu amei!

to com essa cara: =O
hahaha
bjos

Ca:mila disse...

ótimo! realmente ótimo!